Skip to content

Dólar opera em alta diante de nova queda na produção industrial

Compartilhe esse post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp

CÂMBIO NEWS – RESUMO DIÁRIO DE NOTICIAS SOBRE O MERCADO DE CÂMBIO – 02/06/2021

dólar abriu em alta nesta quarta-feira (2), após a divulgação de mais uma queda na produção industrial brasileira – e no dia seguinte a uma queda acentuada, que levou o dólar a fechar abaixo de R$ 5,15, no menor patamar desde dezembro passado.

Às 9h03, a moeda norte-americana subia 0,21%, cotada a R$ 5,1574. Veja mais cotações.

Na terça-feira, o dólar fechou em queda de 1,49%, a R$ 5,1465 – menor cotação desde 21 dezembro de 2020 (R$ 5,1232).

Na parcial do mês, o dólar acumula queda de 1,49%. No ano, passou a ter queda de 0,78% frente ao real.

Fonte: TradingView

Fique pode dentro das 5 principais notícias do mercado desta quarta-feira

1. Ibovespa dispara apesar de incertezas políticas e econômicas

O principal índice da bolsa de valores brasileira renovou máximas históricas no fechamento da terça-feira, aos 128.293 pontos, impulsionado pelos dados do PIB brasileiro no primeiro trimestre, que apoiaram o otimismo sobre a retomada econômica.

O ambiente político e econômico do país, no entanto, não se livrou de suas incertezas: a confirmação da realização da Copa América no Brasil, que registrou 2.408 novas mortes por Covid-19 na terça-feira, deve continuar a repercutir.

Outro tema central nesta quarta-feira deverá ser a crise hídrica, que segue gerando temores em diferentes setores da economia. Na tarde de ontem, o ministro Paulo Guedes reconheceu que o crescimento da atividade econômica do Brasil colocará ainda mais pressão sobre os riscos hidrológicos e, nesse cenário, defendeu a privatização da Eletrobras (SA:ELET3).

Em outra frente, o Senado aprovou um projeto de readequação e recomposição de quase R$ 20 bilhões ao Orçamento, dos quais boa parte vai para o pagamento de benefícios sociais.

EWZ, fundo de índice que replica o Ibovespa em Nova York, tinha leve queda de 0,17% na pré-abertura em Wall Street.

LEIA MAIS: Cenário de curto prazo brasileiro gera otimismo e ignora fatores futuros negativos

2. Ações devem abrir de forma silenciosa; AMC Entertainment em alta

As ações dos EUA devem abrir de forma silenciosa na quarta-feira, após o início tranquilo do mês de terça-feira e antes do crucial relatório de empregos na sexta-feira.

Às 9h13 (horário de Brasília), o Dow Jones futuros subia 0,08%, o S&P 500 futuros subia 0,05% e o Nasdaq 100 futuros avançava 0,02%.

O blue-chip Dow Jones Industrial Average ganhou apenas 1%, ou 45 pontos, na terça-feira, enquanto o amplo S&P 500 quebrou uma sequência de três dias de alta para fechar em baixa de apenas 2 pontos. O NASDAQ Composite de alta tecnologia caiu 0,1%, para seu segundo dia de derrotas em três.

Os investidores estão relutantes em agir de forma muito agressiva nesta semana de feriado, aguardando os dados de empregos nos EUA na sexta-feira para a confirmação de uma recuperação sólida na maior economia do mundo.

“Indiscutivelmente, o fraco relatório de empregos nos EUA de um aumento de apenas 266 mil em abril deu o tom para o mês de maio. Isso permitiu que os mercados examinassem as palavras do Federal Reserve, com a segurança de que o banco central não tomaria uma decisão precipitada. A divulgação desta semana do relatório de empregos de maio também deve definir o tom para o mercado em junho”, disseram analistas do ING em nota de pesquisa.

Apesar do movimento lento, uma série de ações pode ter negociações voláteis na quarta-feira.

As ações da AMC (NYSE:AMC) estarão novamente em foco depois que a favorita do Reddit saltou 22% na terça-feira, após o levantamento de pouco mais de US$ 230 milhões por meio de uma venda de ações.

Além disso, Zoom (NASDAQ:ZM) (SA:Z1OM34) e Hewlett Packard (NYSE:HPE) (SA:HPQB34) estarão no centro das atenções depois que ambos apresentaram resultados trimestrais encorajadores após o fechamento da terça-feira.

CONFIRA: Cotação de índices futuros globais

3. Lira Turca atinge recorde de baixa

lira turca caiu para uma mínima recorde em relação ao dólar americano na quarta-feira, depois que o presidente Recep Tayyip Erdogan pediu novamente taxas de juros mais baixas, apesar dos altos níveis de inflação.

“Falei com o presidente do nosso banco central hoje. É fundamental que reduzamos as taxas de juros. Para isso, chegaremos aos meses de julho e agosto, para que as taxas comecem a cair”, disse o líder turco em entrevista à emissora estadual TRT na noite de terça-feira.

Às 8h30, o dólar subia 1% em relação à lira a 8,6174, depois de alcançar 8,7795 na quarta-feira após as observações de Erdogan.

Erdogan há muito mantém a crença pouco ortodoxa de que custos mais baixos de empréstimos ajudarão a desacelerar a inflação, reduzindo os custos ao produtor.

Seus comentários só aumentam a pressão sobre o presidente do banco central, Sahap Kavcioglu, que assumiu o cargo em março, depois que seu antecessor provocou a ira de Erogan por endurecer demais a política monetária.

No briefing do relatório de inflação do banco central no início de maio, Kavcioglu observou que a atual postura monetária restritiva será mantida com “grande determinação e paciência” até que haja uma melhoria sustentável nas perspectivas de inflação.

A inflação turca acelerou pelo sétimo mês em abril, de acordo com dados divulgados no início de maio, com a taxa de inflação anual subindo de 16,2% para 17,1% no mês anterior, mais de três vezes a meta oficial de 5%.

4. Petróleo recebe impulso da Opep

Os preços do petróleo bruto subiram ainda na quarta-feira, depois que a Opep e seus aliados expressaram otimismo com uma forte recuperação da demanda nos EUA e na China, os dois maiores consumidores mundiais de petróleo.

Às 9h17, o petróleo WTI subia 0,87%, a US$ 68,31 o barril, após fechar a sessão anterior em seu nível mais alto desde outubro de 2018. O Brent subia 1,02%, a US$ 70,97, após fechar a terça-feira acima de US$ 70 pela primeira vez desde 2019 .

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo e outros produtores importantes, incluindo a Rússia, grupo conhecido como Opep+, concordaram na terça-feira em manter seu plano de reduzir gradualmente as restrições de produção até julho.

Em comentários feitos após a reunião, o ministro saudita da Energia, Príncipe Abdulaziz bin Salman, disse que houve uma sólida recuperação da demanda nos EUA e na China, acrescentando que o ritmo de vacinação “só pode levar a um maior reequilíbrio do mercado global de petróleo”.

Aumentando a confiança em torno do mercado, houve um colapso nas negociações entre o Irã e as potências globais sobre o potencial retorno de um acordo nuclear, que poderia ter resultado no levantamento das sanções relativas ao petróleo contra o país do Golfo Pérsico.

Não está claro se essas negociações serão retomadas antes da eleição presidencial de 18 de junho no Irã e, portanto, o retorno dos barris iranianos ao mercado global não parece ser uma questão iminente.

Mais além, no lado da oferta, os dados dos estoques de petróleo dos EUA do American Petroleum Institute serão divulgados mais tarde na sessão, enquanto os números oficiais da Administração de Informação de Energia são previstos para quinta-feira, um dia depois do normal devido ao feriado do Memorial Day no início da semana.

Por outro lado, as grandes petrolíferas ainda não estão investindo o suficiente em energia limpa, de acordo com a Agência Internacional de Energia, para ajudar a limitar um perigoso aumento nas temperaturas globais.

A organização intergovernamental autônoma com sede em Paris espera que as empresas tradicionais de combustíveis fósseis aumentem os investimentos verdes para pelo menos 4% de seus gastos de capital, ante apenas 1% no ano passado, de acordo com um relatório na quarta-feira.

“Recursos muito maiores devem ser mobilizados e direcionados para tecnologias de energia limpa para colocar o mundo no caminho para alcançar emissões líquidas zero até 2050”, disse Fatih Birol, diretor executivo da IEA.

CONFIRA: Cotação das principais commodities globais

5. O poder de Musk

Depois de Warren Buffett, parece que os investidores de varejo têm um novo favorito – Elon Musk.

Ao longo dos anos, cada declaração de Buffett, o chamado Sábio de Omaha, foi avidamente apreendida pelo mercado de varejo como ouro para investimentos. O CEO da Berkshire Hathaway (NYSE:BRKa) (SA:BERK34) ainda terá seus fãs, mas a influência de Musk parece estar aumentando neste mundo dominado pela mídia social.

A ação da Samsung Publishing (KS:068290) disparou 10%, para seu nível mais alto em mais de um mês, após Musk tuitar sobre a popular música “Baby Shark” do YouTube, dizendo que “Baby Shark esmaga todos! Mais visualizações do que humanos”, com o videoclipe da música anexado.

A Samsung Publishing, com sede em Seul, Coreia do Sul, possui quase 19% do SmartStudy, produtor da música.

O salto da ação ilustra novamente a influência que Musk, o CEO da Tesla, exerce sobre seus seguidores, com seus comentários tendo causado movimentos bruscos em criptomoedas como Bitcoin e Dogecoin, bem como nas chamadas “ações meme”.

Dito isso, essa influência também vem com responsabilidade, e o Wall Street Journal relatou na terça-feira que a SEC disse à Tesla (NASDAQ:TSLA) (SA:TSLA34) no ano passado que o uso do Twitter por Musk havia violado duas vezes um acordo que exigia que seus tuítes fossem pré-aprovados por advogados da empresa.

A Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos ordenou que a fabricante de carros elétricos analisasse todas as comunicações públicas que Musk fez a respeito da Tesla, após um tuíte em agosto de 2018 dizendo que ele tinha “financiamento garantido” para possivelmente tornar a Tesla privada em uma transação de US$ 72 bilhões.

https://br.investing.com/news/stock-market-news/fique-por-dentro-das-5-principais-noticias-do-mercado-desta-quartafeira-875797

https://g1.globo.com/economia/noticia/2021/06/02/dolar.ghtml

Siga nossas redes

Veja mais