Skip to content

Dólar opera em queda, após dados de inflação e com política monetária no radar

Compartilhe esse post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp

CÂMBIO NEWS – RESUMO DIÁRIO DE NOTICIAS SOBRE O MERCADO DE CÂMBIO – 09/06/2021

dólar opera em queda nesta quarta-feira (9), com os investidores digerindo dados domésticos sobre a inflação em meio a expectativas sobre a próxima reunião de política monetária do Banco Central.

Às 9h26, a moeda norte-americana caía 0,31%, vendida a R$ 5,0191. Veja mais cotações.

No dia anterior, a moeda fechou estável, cotada a R$ 5,0349. Com o resultado, acumula recuo de 3,63% no mês e de 2,94% no ano.

O Banco Central fará neste pregão leilão de swap tradicional para rolagem de até 15 mil contratos com vencimento em novembro de 2021 e março de 2022.

Fonte: TradingView

Fique pode dentro das 5 principais notícias do mercado desta Quarta Feira

1. Banco e vacinas

O foco corporativo no Brasil deve se manter no setor financeiro após o aporte de US$ 500 milhões do megainvestidor bilionário Warren Buffett no banco digital Nubank, tornando-o o mais valioso do mundo na categoria.

“A nova rodada é fruto do crescimento hiper-acelerado e sustentável do Nubank. A empresa é o maior banco digital do mundo em número de clientes”, disse o banco em nota.

Enquanto isso, os EUA devem enviar um primeiro lote de 3 milhões de doses de vacina contra Covid-19 da Janssen, da multinacional Johnson&Johnson, com data de validade de 27 de junho, disse o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, em depoimento à CPI da Covid do Senado nesta terça-feira (8).

Já o IPCA de maio foi divulgado às 09h00, com avanço de 0,83% na base mensal e de 8,06% no acumulado em 12 meses. Os dados vieram acima da previsão dos economistas de 0,71% e 7,93%, respectivamente.

Ibovespa Futuro e o dólar abriram estável, ambos com leve baixa. O índice futuro recuava 0,06% e o dólar caía 0,01% a R$ 5,0318.

2. Briga UE vs. Reino Unido precede o encontro do G-7

O presidente dos EUA, Joe Biden, parte para o Reino Unido nesta quarta-feira (9) na primeira viagem ao exterior desde que assumiu o cargo, em direção a St. Ives, na Cornualha, para uma reunião do G-7.

A reunião provavelmente será dominada por discussões sobre a disponibilidade de vacinas contra o coronavírus, em meio a diferenças sobre como disponibilizar mais doses para países de baixa renda, bem como os direitos de propriedade intelectual para os fabricantes de medicamentos.

Dito isso, antes da reunião de quinta-feira, autoridades britânicas e da União Europeia devem se reunir para tentar neutralizar uma disputa sobre a Irlanda do Norte que ameaça se transformar em uma ação legal.

Em causa está o funcionamento do Protocolo da Irlanda do Norte, parte do acordo Brexit que criou uma fronteira comercial no mar da Irlanda, a fim de impedir o controle de mercadorias ao longo da fronteira terrestre irlandesa.

Como consequência, as mercadorias que chegam à Irlanda do Norte vindas do Reino Unido agora precisam cumprir um conjunto diferente de verificações de saúde e segurança estipuladas pela UE, e o fornecimento de alimentos e medicamentos para a província foi afetado.

3. Ações dos EUA mistas; inflação em destaque

As ações americanas devem abrir praticamente inalteradas nesta quarta, com os investidores evitando assumir posições antes de uma leitura importante da inflação dos EUA no final desta semana.

Às 9h27, os futuros de Dow Jones caíam 0,02%, enquanto os futuros do S&P 500 e do Nasdaq avançavam respectivamente 0,1% e 0,25%.

A cautela antes da divulgação dos últimos números da inflação dos EUA na quinta-feira está limitando a atividade, já que os investidores temem que um número forte possa aumentar a pressão sobre o Federal Reserve para começar a conter a postura de política monetária muito acomodativa.

Os economistas esperam que o IPC de maio suba 4,7% em relação ao ano anterior, um salto dos 4,2% de abril, que foi o aumento mais rápido desde 2008. Se o cenário inflacionário da China servir de guia, o mercado está prendendo a respiração por uma causa justa.

Os preços de fábrica chineses subiram no ritmo anual mais rápido em mais de 12 anos em maio, impulsionados pela alta nos preços das commodities, destacando as crescentes pressões inflacionárias globais.

IPP da China subiu 9% no ano, um salto acentuado em relação ao aumento de 6,8% em abril, impulsionado por aumentos significativos nos preços do petróleo bruto, minério de ferro e metais não ferrosos.

4. Bug de software interrompe sites

Foi um bug de software que causou a maior interrupção global da internet na terça-feira, disse a Fastly, a empresa por trás do incidente, e foi acionado quando um de seus clientes alterou suas configurações.

“Esta interrupção foi ampla e severa, e realmente lamentamos o impacto para nossos clientes e todos que dependem deles”, disse a empresa em um blog de autoria de Nick Rockwell, o executivo sênior de engenharia e infraestrutura.

O problema foi detectado, diagnosticado e corrigido em pouco tempo, ajudando as ações da Fastly a se recuperarem de perdas de cerca de 4% na manhã de terça-feira, para fechar quase 11% a mais. O papel também está quase 2% acima do preço de mercado de quarta-feira.

“Incidentes como este sublinham a fragilidade da Internet e sua dependência de uma colcha de retalhos de tecnologia fragmentada. Ironicamente, isso também destaca a força inerente e a rapidez com que pode se recuperar”, disse Ben Wood, analista-chefe da CCS Insight, em uma entrevista à Reuters.

A Fastly opera um grupo de servidores estrategicamente localizados em todo o mundo para ajudar os clientes a mover e armazenar conteúdo perto de seus usuários finais com rapidez e segurança, incluindo os jornais The Guardian e New York Times, bem como os sites do governo britânico, do Reddit e da Amazon (NASDAQ:AMZN) (SA:AMZO34).

5. Petróleo sobe

Os preços do petróleo bruto subiam nesta quarta, ajudados pela confiança crescente sobre as perspectivas da demanda de combustíveis à medida que a economia global se recupera, especialmente os EUA, o maior consumidor do mundo.

Às 9h29, o petróleo WTI subia 0,61% a US$ 70,47 o barril, após fechar na terça acima da marca de US$ 70 pela primeira vez desde outubro de 2018. O Brent subia 0,71% a US$ 72,72, depois de chegar anteriormente a US$ 72,83, o maior patamar desde maio de 2019.

Na terça-feira, o American Petroleum Institute informou que os estoques de petróleo dos EUA caíram 2,1 milhões de barris na semana encerrada em 4 de junho. Se confirmado pela Administração de Informação de Energia dos EUA no final do dia, esta seria a terceira queda semanal consecutiva nos estoques americanos.

Além disso, o EIA elevou sua previsão de consumo de combustível neste ano no país para 1,49 milhão de barris por dia, ante uma previsão anterior de 1,39 milhão de barris por dia.

https://g1.globo.com/economia/noticia/2021/06/09/dolar.ghtml

https://br.investing.com/news/stock-market-news/fique-por-dentro-das-5-principais-noticias-do-mercado-desta-quartafeira-878415

Siga nossas redes

Veja mais