Skip to content

Dólar opera em queda, após disparada na véspera

Compartilhe esse post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp

CÂMBIO NEWS – RESUMO DIÁRIO DE NOTICIAS SOBRE O MERCADO DE CÂMBIO – 09/09/2021

O dólar opera em queda nesta quinta-feira (9), em meio ao acirramento das tensões políticas, da paralisação dos caminhoneiros pelo país e o avanço da inflação divulgado pelo IBGE.

Às 9h11, a moeda norte-americana caía 0,68%, vendida a R$ 5,2916. Veja mais cotações.

No dia anterior, a moeda norte-americana subiu 2,93%, vendida a R$ 5,3276. Foi a valorização percentual diária mais intensa desde 24 de junho de 2020 (alta de 3,36%). O patamar de fechamento é o maior desde 23 de agosto (R$ 5,3802). Com o resultado de quarta, acumula alta de 3,05% no mês. No ano, o avanço é de 2,71% ante o real.

Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado desta quinta-feira

1. Postura defensiva com crise institucional

A escalada do conflito político entre o presidente Jair Bolsonaro e os outros Poderes está assustando os investidores, que preferem adotar uma postura mais defensiva. Ontem (8), o Ibovespa fechou em queda de 3,78%, aos 113.413 pontos, no maior tombo desde março, quando o STF tornou o ex-presidente Lula elegível. Já o dólar teve alta de 2,93%, encerrando o dia cotado a R$ 5,3276. No mercado de juros, alguns vencimentos mais longos voltaram ao patamar dos 11%.

LEIA MAIS: Aversão ao Risco Devido à Crise Institucional Ainda Repercute no Dólar Hoje

De acordo com analistas ouvidos pelo jornal Valor Econômico, a tensão política compromete o avanço da agenda econômica, já que com Bolsonaro isolado, há uma dificuldade maior para aprovar as reformas. Além disso, a falta de confiança também prejudica a retomada econômica e levanta um alerta para a questão fiscal do país.

A ameaça de uma ruptura institucional faz com que o prêmio do risco aumente, afastando o investidor internacional e pressionando o câmbio e os juros. Para a consultora econômica Zeina Latif em entrevista ao Valor, Bolsonaro deve entregar a economia pior do que quando a recebeu e está minando a confiança de investidores internacionais nas instituições políticas do Brasil.

LEIA MAIS: Caminhoneiros mantêm paralisações em 15 Estados mesmo após áudio de Bolsonaro

2. O BCE deve começar a diminuir estímulos?

O Banco Central Europeu (BCE) pode vencer o Federal Reserve para encerrar o estímulo monetário extraordinário que está em vigor desde a primeira fase da pandemia.

O conselho de administração do BCE dirá às 9h45 se reduzirá suas compras mensais de títulos, como alguns esperam. A presidente da instituição, Christine Lagarde, dará sua entrevista coletiva regular 45 minutos depois. Ela deve reiterar que há pouca chance de o BCE aumentar as taxas por muito tempo, mesmo que reduza sua flexibilização quantitativa.

As ações europeias novamente lutaram antes da decisão, com o Stoxx 600 caindo 0,44% e o FTSE 100 do Reino Unido recuava mais de 1% em uma reação negativa contínua ao anúncio do governo britânico de aumentos de impostos na terça-feira.

CONFIRA: Cotação dos principais índices globais

3. China sobe nível na luta contra o setor de jogos

O governo chinês deu outro golpe em sua indústria de jogos, derrubando as ações da Tencent Holdings (OTC:TCEHY) e da NetEase (NASDAQ:NTES) (SA:NETE34) em Hong Kong e na sessão pré-mercado dos EUA. O South China Morning Post informou que a China suspenderá o lançamento de novos jogos, após uma reunião em que as autoridades emitiram novas demandas sobre a remoção de conteúdo indesejável e desistência da “busca solitária de lucro” pelas empresas de jogos.

Talvez sentindo uma oportunidade na região mais ampla do Extremo Oriente, a Sea Ltd (NYSE:SE) (SA:S2EA34), a empresa de vários aplicativos apoiada pela Tencent que oferece jogos e outros serviços em todo o Sudeste Asiático, disse que vai levantar mais de US$ 6 bilhões.

Já as ações da Alibaba (NYSE:BABA) (SA:BABA34) também caíram com relatos de que as autoridades haviam bloqueado a listagem de sua unidade LinkDoc nos EUA, forçando-a a buscar uma nova rodada de financiamento privado em outro lugar.

CONFIRA: Cotação dos principais ativos globais

4. Ações devem estender perdas com pedidos de seguro-desemprego e Fed no radar

As ações dos EUA devem estender suas perdas com a consciência crescente de que o dia em que o Federal Reserve começará a retirar seus estímulos está se aproximando, mesmo que os comentários nas últimas 24 horas sugiram que não será na próxima reunião do Fed em duas semanas.

O presidente do Federal Reserve de Nova York, John Williams – um dos presidentes regionais mais pacíficos do Fed este ano – disse na quarta-feira que ainda achava que uma redução nas compras de títulos poderia começar este ano, e seu homólogo do Fed de Atlanta, Raphael Bostic ecoou essas opiniões em uma entrevista na quinta-feira.

LEIA MAIS: Autoridades do Fed dizem que corte de estímulo pode começar ainda neste ano

Às 08h46, os futuros do Dow Jones, os futuros do S&P 500 e os futuros do Nasdaq 100 caíam respectivamente 0,22%, 0,21% e 0,38%.

O grande indicador econômico do dia nos EUA será o número de pedidos de seguro-desemprego semanais às 9h30. As ações que provavelmente estarão em foco – além dos grandes ADRs chineses – incluem Lululemon (NASDAQ:LULU) (SA:L1UL34), cujos resultados e perspectivas do segundo trimestre superaram em muito as expectativas no final da quarta-feira.

5. Commodities em chamas

O pano de fundo para o nervosismo sobre o aperto da política monetária é gritante, com os mercados de commodities em particular dando sinais de que os aumentos de preços causados ​​pela pandemia e subsequentes políticas de estímulo serão maiores e mais duradouros do que se pensava.

inflação de preços ao produtor chinês subiu para uma taxa anual de 9,5% em agosto, de acordo com dados divulgados durante a noite, um grau de inflação que está sendo acentuado por alto recorde das taxas de frete para os portos dos EUA.

Metais básicos continuaram sua carga na quinta-feira, com Níquel Futuros subindo 2,4% para uma nova alta de sete anos, enquanto Alumínio Futuros subiu 2,5% para uma nova máxima de 13 anos, em meio a notícias de que os fabricantes de ar condicionado, que respondem por cerca de 10% da demanda chinesa de cobre, estão substituindo o cobre pelo alumínio. Os preços de referência globais para o carvão metalúrgico, usado na produção de aço, também chegaram a US$ 300 a tonelada.

LEIA MAIS: Carvão e coque atingem altas recordes na China com crise de oferta

Já os preços do Gás Natural no Henry Hub atingiram US$ 5 por mm Btu pela primeira vez desde 2014, com a compressão aguda nos mercados europeu e asiático elevando os preços das exportações de gás natural liquefeito.

Os preços do petróleo bruto também subiram durante a noite, uma vez que a lenta restauração da produção do Golfo do México ajudou a manter o mercado à vista apertado. A perda cumulativa de produção desde que as plataformas de produção foram fechadas antes do furacão Ida está agora se aproximando de 20 milhões de barris.

Por volta das 08h52, os contratos futuros do petróleo WTI subiam 0,65% a US$ 69,75 o barril, enquanto os futuros do petróleo Brent avançavam 0,69%, a US$ 73,10.

CONFIRA: Cotação das principais commodities globais

O governo dos EUA publicará seus dados de estoques semanais às 12h00.

https://br.investing.com/news/stock-market-news/fique-por-dentro-das-5-principais-noticias-do-mercado-desta-quintafeira-914777
https://g1.globo.com/economia/noticia/2021/09/09/dolar.ghtml

Siga nossas redes

Veja mais