Skip to content

Dólar opera em queda após PIB melhor que o esperado

Compartilhe esse post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp

CÂMBIO NEWS – RESUMO DIÁRIO DE NOTICIAS SOBRE O MERCADO DE CÂMBIO – 01/06/2021

dólar opera em queda nesta terça-feira (1), após o IBGE divulgar uma alta de 1,2% no PIB do 1º trimestre, acima do esperado pelo mercado.

Às 9h04, a moeda norte-americana recuava 0,48%, a R$ 5,1990. Veja mais cotações.

No dia anterior, a moeda norte-americana subiu 0,23%, a R$ 5,2243. No mês, acumula queda de 3,81%. No ano, porém, o avanço é de 0,72%.

Fonte: TradingView

Fique pode dentro das 5 principais notícias do mercado desta segunda-feira

1. Foco no PIB, mas sem tirar o olho da CPI

O IBGE divulgou, nesta terça-feira, os números do PIB para o primeiro trimestre. A economia brasileira apresentou um crescimento de 1,2% no primeiro trimestre do ano em relação aos últimos três meses de 2020, acima da previsão de 1% dos economistas. Em relação ao mesmo período do ano passado, a expansão foi de 1%, acima da expectativa de 0,8%.

O crescimento desacelerou em relação ao avanço de 3,2% do quarto trimestre de 2020 ante julho e setembro do ano passado, mas voltou a ficar positivo em termos anualizados, após apresentar retração de 1,1% nos três últimos meses de 2020 em relação ao mesmo período de 2019.

De acordo com o Boletim Focus do Banco Central, publicado ontem, o consenso dos economistas é que o crescimento do PIB neste ano chegue a 3,96%.

Em outra frente, na CPI da Covid, a expectativa gira em torno do que será dito pela médica Nise Yamagushi, uma das defensoras da cloroquina e do tratamento precoce e acusada de fazer parte do “gabinete paralelo” do presidente Jair Bolsonaro para assuntos relacionados à pandemia de Covid-19.

2. Brent chega a US$ 70 antes da reunião da Opep

Os preços do petróleo bruto subiam acentuadamente na terça-feira, com o contrato de referência internacional Brent chegando a US $ 70 o barril, em meio ao otimismo sobre as perspectivas para o crescimento da demanda, à medida que a economia global se recupera antes de uma reunião dos principais produtores da commodity.

Às 9h10 (horário de Brasília), o petróleo dos EUA subia 3,2%, para US$ 68,42 o barril, enquanto o Brent subia 2,3%, para US$ 70,94, atingindo a máxima intradiária desde 8 de março.

PMI industrial da China cresceu no ritmo mais rápido em 2021 até agora, e a Europa seguiu, com a atividade industrial da zona do euro expandindo em um ritmo recorde em maio, sugerindo que a recuperação econômica nos maiores consumidores de petróleo do mundo estava bem encaminhada.

Somando-se a isso, a temporada de viagens de carro nos EUA começou durante o fim de semana do Memorial Day, com a demanda de gasolina no país saltando 9,6% no domingo, acima da média dos quatro domingos anteriores, a maior demanda para um domingo desde o verão de 2019, de acordo com a empresa de monitoramento GasBuddy.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo e seus aliados, um grupo conhecido como Opep+, deve se reunir no final do dia. Espera-se que o grupo continue a reduzir gradualmente as restrições ao fornecimento de combustível conforme planejado nos próximos dois meses, especialmente depois que um de seus comitês estimou que o excesso de petróleo acumulado durante a pandemia quase acabou e que os estoques diminuirão rapidamente na segunda metade do ano.

A Opep+ decidiu em abril devolver 2,1 milhões de barris por dia de oferta ao mercado de maio a julho, e o Comitê Técnico Conjunto do grupo previu que os estoques cairão pelo menos 2 milhões de barris por dia de setembro a dezembro.

O único problema é um possível aumento na produção iraniana, à medida que o país do Golfo Pérsico e as potências globais continuam a negociar as medidas que Teerã deve tomar em relação às suas atividades nucleares para retornar ao cumprimento total do pacto nuclear de 2015.

“O mercado também buscará dicas do grupo sobre o que eles podem fazer com a oferta depois de julho. Nosso balanço patrimonial também mostra que o grupo tem espaço para aumentar a produção ainda este ano, apesar do potencial para mais oferta iraniana ”, disseram analistas do ING em nota de pesquisa.

3. Ações devem começar o mês em tom positivo

As ações dos EUA devem abrir em alta na terça-feira, iniciando o novo mês com otimismo, com o fortalecimento da recuperação econômica global.

Às 9h17 (horário de Brasília), o Dow Jones futuros estava em alta de 250 pontos, ou 0,7%, a 34.763, o S&P 500 futuros subia 0,5% e Nasdaq 100 futuros subia 0,4%.

O blue-chip Dow Jones Industrial Average ganhou pouco menos de 2% em maio, enquanto o amplo S&P 500 subiu 0,6%, marcando seu quarto mês positivo consecutivo. O NASDAQ Composite, de alta tecnologia, ganhou pouco mais de 2% na semana passada para registrar seu melhor desempenho semanal desde abril, mas na verdade perdeu 1,5% em maio, quebrando uma sequência de vitórias de 6 meses.

Na Europa, o DAX da Alemanha atingiu a máxima de todos os tempos, enquanto o CAC 40 em Paris atingiu uma máxima de 52 semanas, assim como o índice Stoxx 600.

A confiança sobre a força da recuperação econômica global está crescendo, ajudada pelos dados de pedidos iniciais de seguro-desemprego nos EUA, a maior economia do mundo, que caíram para uma nova mínima desde o início da pandemia na semana passada.

Isso coloca o relatório de emprego de maio, esperado na sexta-feira, firmemente em foco, já que os investidores esperam que os dados mostrem que a fraqueza inesperada vista em abril foi pontual, quando apenas 266.000 empregos foram criados, bem abaixo do um milhão ou mais que era esperado.

Espera-se que a economia tenha criado 650.000 novos empregos em maio, mas a economia ainda está mais de 8 milhões de empregos abaixo do nível de antes da pandemia.

A temporada de resultados trimestrais praticamente acabou, mas a Zoom Video Communications (NASDAQ:ZM) (SA:Z1OM34) e a Hewlett Packard Enterprise (NYSE:HPE) (SA:H1PE34) devem reportar após o fim do pregão.

4. PMI Industrial é esperado

Embora o relatório de empregos de maio na sexta-feira seja o principal indicador econômico divulgado nesta semana, que pode definir o tom do mercado para junho, a divulgação do PMI industrial de maio, previsto para às 11h (horário de Brasília), também deve ser estudado com muito cuidado.

Embora a recuperação dos empregos seja crucial para determinar a política do Fed, os mercados também foram abalados pelos recentes saltos no outro mandato do banco central – a inflação.

Na sexta-feira, o núcleo do PCE subiu para um valor anual de 3,1% em abril, muito acima da meta nominal do Fed de 2%, seguindo o aumento nos preços ao consumidor para 4,2% na semana anterior.

Assim, embora o número total do PMI e o componente de emprego sejam sem dúvida analisados, poderia haver foco maior no componente de preços pagos. O índice ficou em 89,6 em abril, uma alta recorde e substancialmente acima dos picos anteriores da última década. Espera-se que chegue a um valor semelhante na terça-feira, mas o índice superou as expectativas nos últimos 13 meses.

5. Recuperação da indústria europeia

A Europa pode ter sido duramente atingida pela pandemia Covid-19, não ajudada pelo lento crescimento de seu programa de vacinação, mas os dados mais recentes sugerem que a recuperação da região está bem encaminhada.

A atividade industrial da zona do euro se expandiu em um ritmo recorde em maio, com o PMI Industrial final da IHS Markit subindo para 63,1 em maio, de 62,9 de abril, acima da estimativa inicial de 62,8 e a leitura mais alta desde o início da pesquisa em junho de 1997.

PMI industrial da Alemanha, que responde por cerca de um quinto da economia, atingiu 64,4, abaixo do recorde de março de 66,6, mas acima da expectativa de 64,0, enquanto o equivalente da França subiu para 59,4 de 58,9 em abril, atingindo o nível mais alto desde setembro de 2000.

As interrupções causadas pela pandemia global de coronavírus ainda estão tendo um grande impacto nas cadeias de suprimentos, e o índice de preços de insumos disparou para 87,1 em relação aos 82,2 de abril, facilmente a leitura mais alta já registrada.

Ainda assim, é improvável que essas pressões inflacionárias chamem a atenção dos formuladores de políticas do Banco Central Europeu, como poderiam do Federal Reserve, uma vez que os níveis de inflação ainda não estão nem perto de sua meta, apesar de anos de política monetária ultra-frouxa.

Somando-se às boas notícias, o desemprego alemão caiu mais do que o esperado em maio, caindo em 15.000, à medida que as empresas contrataram mais funcionários devido à recuperação na maior economia da Europa, ajudada por um abrandamento das medidas de bloqueio.

https://g1.globo.com/economia/noticia/2021/06/01/dolar.ghtml

https://br.investing.com/news/economy/fique-pode-dentro-das-5-principais-noticias-do-mercado-desta-segundafeira-875196

Siga nossas redes

Veja mais

Exchange

Dólar abre a semana em queda

CÂMBIO NEWS – RESUMO DIÁRIO DE NOTICIAS SOBRE O MERCADO DE CÂMBIO – 21/06/2021 O dólar opera em queda nesta segunda-feira (21). Às 10h18, a moeda norte-americana caía