Skip to content

Dólar opera em queda e caminha para recuo mensal

Compartilhe esse post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp

CÂMBIO NEWS – RESUMO DIÁRIO DE NOTICIAS SOBRE O MERCADO DE CÂMBIO – 31/08/2021

O dólar opera em queda nesta terça-feira (31), de olho na agenda movimentada de indicadores e ainda caminhando para fechar o mês em leve baixa.

Às 9h47, a moeda norte-americana recuava 0,36%, vendida a R$ 5,17. Veja mais cotações.

Na segunda-feira, o dólar fechou em queda de 0,09%, a R$ 5,1888. Na parcial do mês, recua 0,40%. No ano, o avanço é de 0,03% ante o real.

Fonte: TradingView

Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado desta terça-feira

1. EUA concluem retirada do Afeganistão e restrição de viagens transatlânticas

Os EUA concluíram sua retirada de militar do Afeganistão após 20 anos da invasão do país asiático, a guerra mais longa da história americana.

Embora uma aparência de ordem tenha sido restaurada aos dias finais da retirada, as cenas inicialmente caóticas desencadeadas pela rápida tomada de controle do país pelo Talibã prejudicaram a posição internacional e doméstica do presidente Joe Biden, e levaram à comemoração de comentaristas oficiais chineses e russos sobre a percepção de falta de valor das garantias de segurança dos EUA.

A turbulência, no entanto, ainda não resultou em nenhum impacto claro nos mercados globais. Em particular, o dólar continuou a ser guiado pelas expectativas de política monetária. Mesmo contra moedas alternativas, como o franco suíço e o iene japonês, o dólar subiu no último mês.

Ainda nas relações internacionais, os EUA e a União Europeia (UE) restringiram viagens mutuamente, em resposta aos números crescentes da Covid-19 nos dois lados do Atlântico. A UE emitiu orientações para os estados membros de que apenas pessoas totalmente vacinadas devem ter permissão para viajar livremente para a Europa. A orientação não é vinculativa, uma vez que os estados-membros mantêm a soberania sobre as medidas de saúde pública.

Os EUA, por sua vez, aumentaram o status de alerta de chegadas da Alemanha e Suíça (bem como do Canadá), refletindo o número crescente de casos. Os movimentos pesaram sobre as companhias aéreas de bandeira europeia no início do pregão europeu: IAG (LON:ICAG), proprietária da Iberia, Vueling e British Airways (fora da UE), caiu 3,0% para testar um mínimo de um mês, enquanto a alemã Lufthansa (DE:LHAG) caiu 1,1%.

CONFIRA: Cotação dos principais índices globais

2. Atos de 7 de setembro e manifesto dos empresários

Os atos bolsonaristas marcados para o dia 7 de setembro trazem a expectativa para saber qual o real apoio que o presidente tem da população. Isolado por uma crise institucional que ele mesmo causou, Bolsonaro também perde apoio da classe política e empresarial e diversas pesquisas mostram a sua derrota para o ex-presidente Lula nas próximas eleições.

LEIA MAIS: Que Venha Logo o Sete de Setembro

Nas últimas semanas, Bolsonaro tem ensaiado demonstrações de poder, como o desfile militar em Brasília, mas o resultado não alcançou o público desejado. Para manter os apoiadores que ainda restam, Bolsonaro deve continuar inflamando ataques contra outras instituições, em especial o Supremo Tribunal Federal (STF), segundo relatório da Eurasia.

Ontem, a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) adiou a divulgação de um manifesto exigindo uma pacificação e harmonia na relação entre os três poderes, uma iniciativa individual do presidente da instiuição Paulo Skaf. O jornal Valor Econômico informa que o adiamento causou incômodo em parte das 200 entidades empresariais signatárias do manifesto. Os jornais informam que a suspensão da divulgação ocorreu após pedido do presidente da Câmara Arthur Lira (PP-AL) a Skaf.

VEJA TAMBÉM – Eurasia: Brasil pode ter severa crise energética, prejudicando PIB e reeleição

O manifesto é cercado de polêmica, especialmente entre a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e o ministro da Economia Paulo Guedes, que acusou a entidade dos bancos de pressionar por um teor mais crítico ao governo e sua política econômica no conteúdo da carta. A Febraban nega.

No fim, a Abag (Associação Brasileira do Agronegócio) acabou divulgando seu manifesto exigindo uma “pacificação entre os poderes da República”.

CONFIRA: Cotação das ações brasileiras

3. Futuros de NY operam mistos; Zoom sob pressão

As ações dos EUA devem abrir mistas mais tarde, ainda apoiadas pela esperança de um início tardio e suave para a redução do estímulo monetário.

Por volta das 08h33, os futuros do Dow Jones e os futuros do S&P 500 caíam respectivament e0,07% e 0,02%, enquanto Nasdaq 100 futuros tinha leve alta de 0,03%. Já o EWZ, fundo de índice que mede o desempenho das ações brasileiras em Nova York, tinha alta de 0,52% no pré-mercado. O índice Dow Jones teve um desempenho inferior na segunda-feira, uma vez que a reabertura de negociações sofreu novamente devido ao fluxo de notícias relacionado à Covid-19.

As ações que provavelmente estarão em foco mais tarde incluem a Zoom Video Communications (NASDAQ:ZM) (SA:Z1OM34), que caiu 12% nas negociações após o fechamento do mercado na segunda-feira, após prever uma desaceleração no crescimento da receita em relação ao ano passado. A receita cresceu “apenas” 54% ano a ano no segundo trimestre. Também em foco estará a empresa de jogos chinesa NetEase (NASDAQ:NTES) (SA:NETE34), que relatou números melhores do que o esperado para suavizar os vários golpes que recebeu dos reguladores nas últimas semanas. O especialista em segurança cibernética Crowdstrike lidera uma lista de balanços muito curta após o fechamento.

CONFIRA: Cotação das ações do EUA no pré-mercado

4. A economia chinesa desacelera; dados europeus mistos

A extensão da desaceleração da economia chinesa sob pressão da última onda de Covid-19 ficou aparente nos índices dos gerentes de compras oficiais do país para agosto. O PMI da indústria desacelerou para 50,1, pouco acima da linha que separa o crescimento da contração. O índice de serviços, no entanto, mergulhou em território contracionista em 47,5, sua leitura mais baixa desde fevereiro de 2020.

Também houve evidências de uma desaceleração em partes da Europa: os gastos do consumidor franceses caíram 2,2% no mês de julho, enquanto os empréstimos para famílias do Reino Unido entraram em colapso após o fim de um feriado fiscal na compra de uma casa.

Em desenvolvimentos mais positivos, o número de desempregados na Alemanha caiu mais acentuadamente do que o esperado em agosto, em 53.000.

5. Petróleo WTI não ultrapassa US$ 70 após furacão Ida

Os preços do petróleo bruto novamente lutaram com a marca de US$ 70 o barril, já que as consequências do furacão Ida não revelaram nenhum dano duradouro à capacidade de produção do Golfo do México. Os preços futuros da gasolina também estavam relativamente calmos, apesar da perspectiva de um lento retorno à produção total nas refinarias com pouco menos de 2 milhões de barris por dia de capacidade.

Os efeitos de Ida podem complicar a tarefa de interpretar os dados semanais de estoques de petróleo do American Petroleum Institute às 17h30.

CONFIRA: Cotação das principais commodities globais

Às 08h42, os contratos futuros do petróleo WTI caíam 0,87%, a US$ 68,61 o barril, enquanto os futuros do petróleo Brent recuavam 0,75%, a US$ 71,70 o barril.

https://br.investing.com/news/stock-market-news/fique-por-dentro-das-5-principais-noticias-do-mercado-desta-tercafeira-911550
https://g1.globo.com/economia/noticia/2021/08/31/dolar.ghtml

Siga nossas redes

Veja mais